Comunhão 1200x762 c

Aos poucos, as autoridades políticas estaduais, observando as medidas sanitárias, vão permitindo a abertura de atividades após um período mais intenso de isolamento social como medida para contenção do avanço do novo coronavírus. Entre as ações permitidas encontra-se a possibilidade do retorno da realização de celebrações religiosas e missas.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou a todo episcopado brasileiro, dia 31 de maio, um documento de oito páginas com as “Orientações Litúrgico-Pastorais para o retorno às atividades presenciais”. A orientações foram elaboradas pela Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB a partir de experiências de dioceses do Brasil e do exterior. Cabe, contudo, ao bispo de casa Igreja Particular, à luz de cada realidade local, orientar os fieis neste retorno às atividades presenciais.

O documento sistematiza uma série de orientações gerais para a organização e realização das missas e os cuidados que devem ser tomados antes, durante e após cada celebração. Também apresenta orientações específicas, como o ritual para os batizados. Um cuidado necessário é a orientação aos fieis que apresentarem sintomas e que integram os grupos de risco a ficarem em suas casas, onde as comunidades devem se organizar para ministrar a comunhão.

Outra indicação também é que as comunidades fixem em cartazes as observações relativas à higiene para evitar a disseminação do novo coronavírus. A utilização de máscaras, que poderão ser tiradas apenas no momento da comunhão, será obrigatória. Conheça a íntegra do documento aqui.

Fonte: CNBB

IMPORTANTE: A Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965), ensina que "à frente de sua igreja particular, o bispo exerce o governo pastoral sobre a porção do povo de Deus que lhe foi confiada" (n.23), e também que "os bispos dirigem as igrejas particulares a si confiadas como vigários e legados de Cristo" (n.27). Por isso, as orientações da CNBB não significam que, na Diocese de São Miguel Paulista, as atividades já podem ser retomadas. Antes, servem para que todos nos preparemos para que o virá. Nosso bispo diocesano, Dom Manuel Parrado Carral, permanece atento e está estudando o melhor momento da retomada das atividades. Recordemo-nos que, na cidade de São Paulo, a quarentena ainda foi prorrogada até o dia 15 de junho. Portanto, sigamos em oração, com paciência e prudência.