Na semana em que o clero diocesano de São Miguel Paulista faria o seu retiro anual, nosso bispo Diocesano, Dom Manuel Parrado Carral, dirige-lhe nova mensagem, assegurando-lhe solidariedade na oração através da celebração eucarística diária.

dom manuel

São Paulo, 23 de maio de 2020.

Caros Padres e diáconos
Paz e Bem!

"Eis que eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos"(Mt 28,20)

Na solenidade da Ascensão do Senhor, semana na qual realizaríamos o nosso retiro anual, escrevo a vocês para afirmar minha presença fraterna e amiga pela oração e pela celebração eucarística diária. Compartilho a dor e a tristeza do distanciamento dos fiéis; de celebrar a santa missa no vazio dos nossos templos ou no isolamento de nossas residências. É tempo para crescimento e amadurecimento na fé e em nossa opção de vida.

Estamos vivendo um momento de tensão: além da realidade do covid-19 e suas trágicas consequências, vitimando milhares de pessoas, presenciamos uma politização da pandemia que, por sua vez, gera intolerância e polarização, dividindo o povo e acirrando os ânimos.

Somos cidadãos, mas não nos esqueçamos que somos homens de Igreja e, quando falamos e agimos, somos identificados como Igreja. Esses tempos e o pós-pandemia não serão fáceis: retomar a pastoral e a evangelização será bastante exigente, não tenhamos dúvida. Por isso, este é um tempo para nos reabastecermos e suplicarmos ao Espírito Santo que nos guie e nos ilumine, para sempre falarmos e agirmos com sabedoria.

Neste momento de distanciamento, peço licença para propor três pontos a serem refletidos individualmente nestes dias que antecedem a solenidade de Pentecostes. São aspectos que considero importantes no agir de um representante da Igreja, cujas atitudes devem ser modeladas e norteadas pelo Evangelho:

1. Compromisso com a Verdade: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). Jesus Cristo é a Verdade, e somos Seus cooperadores.

2. Misericórdia: “Não vim para condenar, mas para salvar” (Jo 12,47). O Pai não quer que se perca nenhum daqueles que Ele chamou. Evitemos polarização, intolerância e preconceito. É tempo de Diálogo na Verdade.

3. Unidade: “Que todos sejam um, como eu e o Pai somos um. Nisto todos saberão que vós sois meus discípulos” (Jo 17,21). Não tomemos atitudes e nem promovamos ações isoladas, contrárias às orientações da Igreja no Brasil, na Província Eclesiástica e na Diocese. “Agora é tempo de ser Igreja, Caminhar juntos, participar”, lembra-nos um antigo cântico.

Como faz parte da identidade da Igreja, estejamos sempre ao lado dos mais pobres, dos excluídos e dos que mais sofrem com toda esta situação.

Que a Virgem Maria, a Senhora da Penha, proteja-nos e nos abençoe hoje e sempre. Que São Miguel Arcanjo, nosso padroeiro, defenda-nos de todos os males do corpo e do espírito. Que Jesus, o Bom Pastor, seja sempre nosso companheiro de Caminhada.

Fraternalmente, em Cristo Jesus,

Dom Manuel Parrado Carral
Bispo Diocesano de São Miguel Paulista